Com mais brasilienses ficando na cidade, varejo projeta aumento nas vendas, principalmente em bares e restaurantes. Abertura de shoppings durante o feriado também é motivo de entusiasmo

Correio Braziliense

carnaval na capital federal deve atrair 1,2 milhão de pessoas, segundo a Secretaria de Cultura e Economia Criativa (Secec). Com esse quantitativo, a pasta calcula que, no período, sejam injetados R$ 240 milhões na economia do Distrito Federal. A transferência da festa na Esplanada dos Ministérios para a Fundação Nacional das Artes (Funarte) fez o comércio reduzir a projeção de venda: a previsão de crescimento será de 2% — mesmo percentual do ano passado —, de acordo com a análise do Sindicato do Comércio Varejista do DF (Sindivarejista). Mas nem isso tirou o otimismo dos comerciantes, que estão com boas expectativas.Continua depois da publicidade

Para o presidente do Sindivarejista, Edson de Castro, os setores que mais terão crescimento no carnaval serão as lojas de fantasias, armarinhos, bares e restaurantes. “Embora tenhamos perdido cantores nacionais que poderiam atrair mais turistas, o carnaval de Brasília não deixa de movimentar o setor econômico. Estamos próximos de grandes cidades, em que há moradores que vêm para cá curtir os blocos de rua”, explicou.

Neste ano, uma novidade é a abertura dos shoppings durante os dias da festa. “É um investimento a mais na economia. Até porque muitos centros comerciais farão bailes infantis e matinês. Então, as pessoas que não gostam dos blocos de rua irão procurar estabelecimentos como esse para gastar”, projetou Edson de Castro. Segundo ele, com o retorno antecipado dos alunos às instituições de ensino, a expectativa é de que menos pessoas viajem nesse período. “No ano passado, mais de 300 mil pessoas viajaram, porque as aulas começaram mais tarde. Agora, estimamos que 200 mil pessoas saiam do DF, o que é positivo”, destacou.

Isabelle Estrela, 24 anos, é uma das administradoras de um armarinho na 307 Sul que vende acessórios de carnaval. A loja traz uma diversidade de itens: tiaras, tules, brincos, presilhas, blusas e máscaras. A jovem conta que as marcas fornecedoras começaram a entregar as peças de carnaval no fim de janeiro. “As empresas que nos abastecem começaram a sentir que o público está procurando acessórios específicos de festa e mudaram a coleção. Costumo falar que esta época é o nosso segundo Natal, porque vendemos muito”, pontuou.

Segundo ela, a loja tem investido em peças artesanais para atrair os compradores. “Todos gostam de um acessório diferente, que nenhuma outra loja tem. Esse é o nosso diferencial. Além disso, o preço varia bastante, vai de brinco, de R$ 5, até tiara de R$ 70. Acredito que, com isso, venderemos muito, até porque as pessoas estão antecipando as compras”, ressaltou.A colombiana Sharon Latorre, 30, mora em Brasília há oito meses. Ela passará o carnaval na capital pela primeira vez, mas preferiu adiantar as compras. “Estou em busca de acessórios de cabelo e calculei que vou gastar R$ 100. No geral, os preços estão ótimos. Achei brincos de R$ 10 e tiaras de R$ 12. O ideal é comprar o quanto antes, porque, em cima da hora, tudo aumenta de preço”, disse.

Marlúcia Dionísio, 42, gerencia um estabelecimento de artigos de festa na Asa Sul. Ela também se diz otimista quanto à economia no período do carnaval. “Começamos a abastecer a loja com acessórios específicos há um mês, justamente porque as pessoas começam a procurar. A expectativa é a melhor e, com certeza, fevereiro é o melhor mês para nós em questão de lucro”, frisou. 

A engenheira civil Renata Tomazini, 25, passará o carnaval em Alexânia (GO), mas decidiu comprar os adereços aqui na capital. “Na última semana, as lojas costumam aumentar o preço ou as peças vão acabando. Visitei alguns armarinhos, mas os preços estão bem parecidos, na média”, contou.

Expectativa

Segundo o economista da G2W Investimentos Ciro Almeida, neste período, é natural haver um fluxo de atividade econômica maior na capital. “Brasília se tornou um dos principais destinos de carnaval, não necessariamente por causa da entrada de turistas, mas porque o brasiliense está viajando menos. Há uma retomada da atividade do comércio nessa época, principalmente no mercado informal. Os trabalhadores aproveitam os blocos para vender espetinho, água, comidas e gerar uma renda extra. Os shoppings também irão abrir, e isso é positivo. Quem não gosta de folia leva a família para passear”, afirmou.

De acordo com ele, o nicho de fomento à economia no período de festa será o de restaurantes e bares. “Esses estabelecimentos que ficam próximos ao evento tendem a ter uma demanda alta de clientes, o que acaba refletindo na atividade de consumo.”

José Carlos Eira, 43, é gerente de um bar na 201 Sul e espera aumentar em 45% o lucro do local com o carnaval. Na tentativa de atrair mais clientes nesta época, José conta que reformou o estabelecimento e aderiu a cardápios exclusivos para a festa. “Estaremos com mais opções de cerveja e promoveremos shows nos dias de folia. A reinauguração está marcada para domingo, data próxima à do começo das festas. Para nós, este é o melhor momento de faturamento, porque o bar lota, e as pessoas sempre vêm para beber e pedir petiscos”, disse, animado.