Correio Braziliense

Vera Magalhães

De acordo com o Tesouro Nacional, esse é o melhor resultado, desde 2015

Nos sete primeiros meses do ano, o déficit nas contas públicas, em termos nominais, ficou 13,4% abaixo do registrado no mesmo período de 2018. No acumulado de 2019, até julho, o rombo baixou para R$ 35,2 bilhões, contra o de 2018, de R$ s 39,1 bilhões. De acordo com o Tesouro Nacional, esse é o melhor resultado, desde 2015. Em julho, também foi registrada melhora, em relação ao ano passado.
O déficit, em julho, fcou em R$ 6 bilhões, inferior aos R$ 7,5 bilhões do mesmo mês de 2018. O Tesouro Nacional e o Banco Central foram superavitários em R$ 10,1 bilhões, no sétimo mês do ano, enquanto a Previdência Social (RGPS) teve déficit de 16,1 bilhões. O resultado está acima das expectativas apresentada pela pesquisa Prisma Fiscal do Ministério da Economia, que era de um rombo nas contas públicas de R4 7,9 bilhões. A melhora em julho, de acordo com os dados do Tesouro, foi em consequência à entrada líquida de R$ 4,3 bilhões, em consequência de R4 4,1 billhões a mais do imposto de renda e de R4 1,4 bilhão das concessões aeroportuárias. Por outro lado, também houve alta de R4 3,6 bilhoes nadespesa total, “concentrada em benefícios previdenciários (R$ 1,6 bilhão) e das despesas discricionárias (R$ 1,5 bilhão).